Segurança do Manuseio do Laser

Dr. Paulo Guimarães – Goiânia – GO

Os procedimentos de segurança no uso do laser em medicina e odontologia são, muitas vezes, desconhecidos ou negligenciados. As várias normas de segurança propostas pôr fabricantes e entidades de pesquisas e de trabalho em todo o mundo visam, em última análise, a proteção dos olhos, da pele, riscos de queimaduras, exposição à radiação e riscos de incêndio devem estar presentes em todos os lugares e em todas as situações em que se utilize o laser. O laser transfere para os tecidos uma potência muitas vezes superior a qualquer outra fonte de luz, inclusive os raios solares. Esta potência aumenta ainda mais nos picos emitidos com o laser pulsado. Como explicado anteriormente, o mecanismo pelo qual a radiação se transmite aos tecidos envolvem processos fotoquímicos e fotomecânicos. Esta interação depende de fatores como coeficientes de absorção de tecido, comprimento de onda, tempo de exposição, diâmetro do ”spot”, potência e densidade de potência do laser. Os aparelhos de laser são classificados de acordo com sua potência e de seus efeitos sobre os tecidos. Cada classe corresponde a um lea – limite de emissão acessível.

• classe i = não apresentam nenhum perigo mesmo com exposições prolongadas, ou seja, o limite de exposição nunca será alcançado.
• classe ii = emitem radiação visível e pode-se proteger os olhos dos mesmos apenas com o reflexo de piscar. Sua potência é limitada ao lea da classe i por um período máximo de exposição de 0,2 segundos.
• classe iiia = estes já apresentam perigo para o meio ambiente e são pouco perigosos se emitirem radiação com um comprimento de ondas por volta de 470 nm. a potência de emissão contínua é limitada a 5 mw e o reflexo de piscar, limitando o tempo de exposição a 0,2 s protege os olhos.
• classe iiib =estes já são considerados perigosos quando atingem diretamente a visão, mas não se refletidos pôr difusão de um feixe desfocado, desde que mantida a distância mínima de 13 cm e um tempo de exposição máximo de 10 s.
• classe iv= são perigosos até pôr reflexão difundida, causando danos aos olhos, pele e podendo provocar incêndios. é preciso ter em mente que diferentes tipos de laser concentram diferentes quantidades de energia. Assim, enquanto 90%da energia de um raio laser de co2 é absolvida dentro de uma profundidade de 0,2 mm, esta profundidade aumenta para 0,4 mm com um laser de argônio e para 2,0 mm com o laser de nd: yag. Ainda em função das diferenças entre os diversos tipos de laser, os equipamentos de segurança também devem diferir para cada um deles. Devemos atentar para os cuidados com o meio ambiente e com o pessoal. Os cuidados com meio ambiente incluem sinalização de áreas controladas e de acesso restrito, disposição e adequação dos materiais, instrumentos e substâncias mantidas no local do laser, utilização de aspiradores, etc. os cuidados com o pessoal incluem equipamentos de proteção individual como óculos e cuidados com a exposição direta ou pôr reflexão do raio. As normas de segurança ainda dizem respeito ao uso de anestésicos e equipamentos de anestesia.

Cuidados com o meio ambiente
O uso de sinais de advertência nas áreas onde o laser é empregado é de fundamental importância. Deve haver uma zona controlada e de acesso restrito ao pessoal devidamente familiarizado com o uso do laser e com os procedimentos de segurança. Existem símbolos internacionais que devem ser empregados, sinais luminosos “laser em uso não entre” devem ser colocados nos acessos. As áreas nas quais o laser está sendo usado devem permanecer livres de materiais inflamáveis ou reflexivos. Não se deve usar tecidos para recobrir superfícies refletoras pôr causa do risco de incêndio. Todos os equipamentos que não serão utilizados no procedimento devem ser retirados do local antes do início do mesmo. Deve-se manter um extintor de incêndio de co2 no local em que o laser é usado. É de responsabilidade do operador certificar-se de que o aparelho esteja ligado corretamente, atentando para o detalhe do direcionamento do laser em relação a portas ou janelas. Deve ainda se preocupar com o posicionamento do aparelho de modo a conseguir a leitura fácil do controle e ter acesso imediato aos controles, bem como checar os cabos e conexões.

Cuidados com o pessoal

Devemos lembrar, antes de mais nada, que alguns laser operam na faixa de luz invisível. O laser de CO2, por exemplo atua na faixa do infravermelho (comprimento de onda de 10,6 um), com uma potência de saída de centenas de watts. Para evitar acidentes, o laser é alinhado com um raio de laser hene de baixa potência que serve de “mira” e como marcador para o raio invisível. Mesmo o laser de baixa potência representa perigo quando atinge diretamente os olhos pôr tempo prolongado. Assim como podem causar danos ao ambiente, os laser provocam lesões ás pessoas expostas ao seu contato. Lesões de córnea, retina, pele, atc. São potenciais em ambiente onde se emprega o laser. Deve haver um supervisor de proteção laser indicado pelo responsável pelo equipamento, que assumirá o controle do uso adequado e seguro deste equipamento, mantendo registro do pessoal autorizado a usar o aparelho, sendo responsável pelo pessoal autorizado e pôr eventuais visitantes que estejam no local.
O uso de óculos de proteção é indispensável em qualquer procedimento com laser. Todo o pessoal no recinto, incluindo o paciente, deve usar os óculos adequados ao laser que estiver sendo utilizado, salvo o operador quando empregar equipamento que prescindam do uso de óculos. Pares de óculos extras devem estar disponíveis à entrada da sala de procedimento para serem usados pôr pessoas que entrem nesta sala. Não se pode esquecer que existem raios laser que atuam em diferentes faixas do espectro luminoso, ou seja, possuem diferentes comprimentos de onda e necessitam, portanto, de diferentes óculos para a sua proteção. Outro equipamento importante é aspirador. Quando o laser vaporiza os tecidos forma-se uma fumaça que pode, como relatado na leitura, conter partículas viáveis de DNA ou de vírus. Estas partículas podem depositar nas vias respiratórias.
Bibliografia
1. Jacques,s.l. – interações laser-tecido. surg.clin.north am.,72(3):525-52,1992.
2. pinheiro, a.l.b.- normas de segurança quando da utilização de lasers de co2.rev. bras. med., 51(8):1142-8,1994.
3. manual de orientaçao df vasconcelos -sharplan.
4. manual de orientação cirmed- nidek
5. almeida- lopes, l.- laser . j.bras.odontol.clin.,1(4): 5-8,1997
6. almeida- lopes, l;jaeger,m.m.m.;brugnera,a.j.;rigau,j.;acción del láser a baja potência en la proliferación de fibroblastos gingivales humanos en cultivo. anais do vi congresso da sociedad española de láser médico cirurgico em andorra la vella 19 a 22 fevereiro de 1997
7. aún, c.a.;brugnera, a.j.;villa,r.g.;raio laser -hipersensibilidade dentinária, revista da apcd, 43:920,1989 8. bezuur, n.j. et al ;the effect of therapeutic laser treatmentin patient with cranomandibular disorders. j cranomandib. disorders. 1988;2:83

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currículo